A situação da pandemia em Duque de Caxias, no Rio de Janeiro

As cidades brasileiras de Manaus, na floresta Amazônica, e Duque de Caxias, na região metropolitana do Rio de Janeiro, na segunda-feira, retomaram aulas presenciais em escolas particulares, as primeiras grandes cidades a fazê-lo desde o início da pandemia COVID-19.

Ambas as cidades foram duramente atingidas pelo vírus. A capital do Estado do Amazonas, com 2,2 milhões de habitantes, teve a sexta maior morte por coronavírus no País, de acordo com a mídia local G1. Duque de Caxias é o lar de 920.000 pessoas e confirmou a terceira maior parte das mortes no Estado do Rio.



As escolas particulares das cidades receberam autorização para reabrir do governador do Estado do Amazonas e prefeito de Duque de Caxias, de acordo com a Federação escolar privada do país, Fenep.As escolas públicas nas duas cidades, como em outros lugares, ainda não reabriram.

Professores brasileiros durante o surto recorreram ao envio de aulas para crianças através de mídias sociais e aplicativos telefônicos, e até mesmo transmissões de televisão e rádio. As restrições impostas para conter a propagação do vírus estão a ser levantadas em diferentes graus de cidade para cidade, marcando uma saída desordenada da quarentena.

O presidente Jair Bolsonaro tem pressionado as economias a avançar, muitas vezes contra objeções de especialistas em Saúde Pública que argumentam que as taxas de infecção permanecem elevadas. Muitas pessoas, da mesma forma, estão ansiosas por voltar ao trabalho.

"Vimos a necessidade, os pais a pediram; eles voltavam para o mercado de trabalho", disse Maria Agostinho, 55 anos, que dirige O Ursinho Feliz, uma creche, creche e pré-escola em Duque de Caxias.

A escola testou todos os professores para COVID-19, e na segunda-feira tornou disponível higienizador de mãos na entrada da escola e tomou as temperaturas de todos os seus filhos. Eles usam máscaras e devem manter a distância um do outro.

"Conhecendo o compromisso que temos, eles (os pais) pediram, imploraram até que voltássemos ao trabalho", disse Agostinho.

Alguns professores de Duque de Caxias se opõem ao seu retorno. Eduardo dos Santos, 50 anos, Presidente do Sindicato dos professores locais, disse que isso vai contra as recomendações dos especialistas em saúde globais e locais e que os professores não são treinados em medidas de segurança contra vírus.

"Muitos donos de escolas se sentem pressionados por pais que precisam trabalhar, e nós entendemos", disse Santos. Ainda assim, os proprietários e professores da escola devem discutir " para programar um recomeço adequado e equilibrado para preservar vidas.”

A autorização para que as escolas privadas de Duque de Caxias funcionassem foi encorajada pelo declínio dos casos relatados de coronavírus nas últimas semanas — agora em menos de um quinto do Pico registrado em abril.

Comentários